sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Coimbra (II)


Ainda planeei apanhar a camioneta em vez do Táxi, houve qualquer coisa e por via das dúvidas não arrisquei, segui no Táxi cambaleando o passeio defeituoso e o sol aureolava o centro de Coimbra.

Consumi e embebi a paisagem como a da primeira vez, e o veículo de repente vira a um atalho incógnito, tenho os sentidos em vigilância e fico a pensar “Queres ver que o taxista percebeu mal?!” não digo nada ainda, não antes de ter a certeza, enxergo o caminho e reconheço a ponte acolá na via-rápida. Está cortada e em obras. Alivio-me na alcatifa dividida em dois sentidos onde passam camiões gigantes carregados de pedras às costas. Pó, muita poeirada ergue á nossa frente. Rotundas. Curvas. Cheguei e os pássaros pipilam dedicando-me uma linda sinfonia.

Na entrada do Edifício, vejo uma família, o pai, a mãe, o irmão e o mais novo de três anos bi-implantado, um processador de fala em cada orelha, fica tão giro assim. Um mimo. Ascendi degraus e deparei na extensão um senhor ouvinte que aguardava a consulta.
Reconheço o grito de criança dentro da sala ao longe, a aprender ouvir no brotar das primeiras palavras ensinadas. E quando as duas mãos se unem á palmatoada é o triunfo da conquista, mãos juntas, um punhado de sons iguais, repetidos em estilo.

Encanta-me.

Apoiada de costas na parede, vejo a terapeuta e um rapazinho loiro, de olhos azuis, parece-me ter 2 anos a sair do recinto terapêutico de mãos dadas com o progenitor, a mãe visivelmente confusa esconde no sorriso o sofrimento, a culpa encravada por o seu filho ter nascido sem audição. Acusa-me com o olhar mais patético que existe, de desprezo e inveja. A frialdade humana levou-a enfrentar as circunstâncias, zangada com a vida, e sobretudo consigo própria.
Não resisti, disse bom dia no esboçar do riso. Mirou-me furiosamente, morta em expressões.

Engoli em seco. Perplexa por ainda não se ter entregado á redenção.

3 comentários:

Laura disse...

Ah, ninguém tem o direito de culpar ninguém das suas desgraças, deficiências, mas, perdoa-lhe, é um filho que não sente perfeito, porque aind anão sabe ela própria o que é a perfeição...como s efossemos monstros também...Ela ainda tem a vida para viver e ver que não é assim que se enfrentam problemas, haja amor...

Não sei se leste no meu blogue o que te respondi e assim, como preciso saber onde compras a spilhas a direção s eposos mandar vir pelo correio etc ajudas a entender como funciona isso? faz favor..beijinhos.


Parigaça Sun melody, esplica ai, porque ainda não comprei e preferia ter essas, de que vale ir todas as semanas comprar 5 euros delas, mas explica lá isso dos ctt. como fazer? Eu ia à GAES que é aqui pertinho, mas sendo assim, prefiro fazer assim...Ora explica-me mais, acho que o técnico deu um papel à neide onde tem as moradas para comprar as pilhas e devia ser no Porto, mas disse logo quando eu perguntei quanto custavam , que eram mais ou menos 5 euros ou 6 conforme a casa......deixa lá ver.. podes explicar como fazes para as obter? e a marca? diz, ainda tenho 3 para colocar e as que tenho só uso quando saio.

Claro, os meus nervos estavam bons, o meu problema era outro, pois smepre ouvi com aparelho, embora não o usasse porque não entendia nadinha e so o implante fará com que entenda, mas, ainda vai demorar pelo que eu vejo...adiante, esperemos que não muito, mas paciência tenho imensa e assim...

Que bom que a nina pode ser implantada. e tenho falado com surdos que quando lhes falo no implante, rejeitam logo, dizem que eles são normal, normal, e os filhos são como os pais e eles dizem que criança surda, normal, normal, e eu ja nem disse mais nada..são teimosos, apre...

Beijinhos, muitos e manda explicadura prás pilas.. ahhh, nem apaguei porque a palavra saiu mesmo assim como está escrita ehhhhh, prás pilhas, ahhhhhhe bem digo; que seria de mim sem ti?

+++++++++++++++++++++++++++++++++
esta parte e tua ehhh pa lembrares..

Linda! Sabes que eu compro uma caixa de pilhas botão com 10 cartadas por 20€ e duram para aí 3 meses?

È mesmo, não compro mais aquelas q tu tens, são caras para caramba! Entretanto fui á procura e encontrei um centro auditivo que fornece pilhas em PROMOÇÃO e muitos implantados portugueses estão a aderir através dos CTT (correio).

Van disse...

Há mães revoltadas. Entristece-me, sabes, que as mães digam "sabe lá os cuidados que esta filha me dá" ou "coitadinha da minha filha que não tem capacidade para isto ou para aquilo". Dá-me umas ganas de as esbofetear! Infelizmente, é por mães assim que muitos surdos se sentem limitados e acham que, realmente, são uns coitados incapazes...
Lógico que as mães tb são seres humanos, e têm o direito a sofrer. Mas, não têm o direito de ser ignorantes ou preconceituosas com os próprios filhos! Porque, é delas que depende se o filho vai ou não crescer a acreditar que é e a ser uma pessoa completa.

Felizmente para mim, a minha mãe não é assim. :)

oliviacastrocranwell disse...

Quando eu perguntava a terapeuta como era que os meninos reagiam com o implante ela dizia que isso dependía muito dos pais, pais cheios de angustia, culpa e frustração. Minha mãe sempre sintiu muita culpa de eu ser surda-agora está melhor- e essa angustia era pra mim bem pior do que não ouvir. Eu disse muitas vezes pra minha mãe que ela não tinha culpa (ela não é Deus) e mesmo sem escutar, sinto-me uma pessoa dentro da vida e cheia de talentos.

Coitado do menino que deve lidar com a frustração da mãe, eu espero que ele possa dar a volta por cima e espero que a mãe encontre a alegría e o amor ja que só isso serve nesta vida. Não adianta escutar sem amor, nem adianta nada mesmo sem amor.

Ahhhh, espero que o sua nova calibragem esteja dando certo. Eu vou pra fono no mês que vém. Adorei seu comentario no meu blog e deixei um presentinho pra vc :))).... más não está obrigada a faze-lo, eh? :)

Bisous Sun