segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

A Abrir 2012

Há tanto para contar neste caminho longo, mas ainda caem estrelas sonoras no meu ouvido implantado em cada palavra, cada ruído e cada som fulgurante para o céu continuar tão iluminado. A ida a Coimbra por fim estabilizou-se, e já não visito a cidade, o Hospital como o costume, o espaço de intervalo para os novos reajustes alargou-se e também é verdade que tenho estado a evitar com medo que uma nova programação me paralise atordoada os níveis de conforto e discriminação auditiva em crescente e prolongadas no telemóvel.
Tenho o depósito meio cheio destes quatro anos a caminho dos cinco em Julho, que viagem incrível, emocionante e vivida em todos os sentidos a redescobrir-me nesta transformação inacabada, um pouco mais eu própria e parece ser pouca coisa mas não é.

Do silêncio para a canção num estalar do segundo, foi assim a minha vida ao mundo dos tons e ruídos da mesma forma como me foi retirada em bebé. Parece ser uma sina qualquer. Agora posso simplesmente fazer coisas com as quais em criança não era capaz, ouvir música com mais claridade e nuances, conversar tranquilamente com amigos, escutar até sons desagradáveis e andar no passeio sem olhar directamente para a pessoa, atender o telemóvel e mais umas quantas.

Parece uma loucura. Estou a ouvir! Não me canso em afirmar. Estou extremamente grata pela oportunidade. Esta é a minha história. Os textos aqui escritos são o Santo Graal das minhas experiências auditivas, das minhas expectativas colossais e no fim há sempre quem cá passe, arregacem a malha da camisola em busca de uma esperança para si mesmo, ou para o/a seu/sua filho/a cuja perda auditiva foi diagnosticada e tentam informar qual o melhor caminho a seguir. São escolhas íntimas e pessoais, escolhas estas que determinam o trilho para sempre.

Conheci pessoas magníficas graças a este blogue que de repente passou a ser visitado pelo mundo inteiro e me levou conhecer pessoas do Brasil, da Argentina, da Espanha, dos EUA, do Canadá e fui capaz de os ajudar a dar uma mão amiga nos piores e melhores momentos das suas vidas, do choque, do inesperado, da surpresa desavinda, da magia sonora no cume de uma montanha repleta de notas melódicas por e-mail a um simples clique de distância, quer pessoalmente e outros na qual nutro muita amizade nos dias de hoje. A magia existe, e vejo-os com os meus próprios olhos, estes constantes reviveres que nos tocam o fundo e nos emocionam.Houve desilusões pelo meio como tudo na vida, decepções tremendas pois de facto nunca chegaram a me conhecer verdadeiramente e tenho pena que no coração desses indivíduos a frialdade seja mais forte que tudo o resto. Houve encontros, houve interessados a quererem conhecer melhor sobre o Implante Coclear, candidatos ao IC, implantados e pais de crianças que foram aparelhadas/ implantadas e hoje são bilaterais!
Aí o bilateral, este suspiro, nunca deixei de pensar como seria ouvir com dois ouvidos biônicos mas teve ser uma sensação mesmo boa!

Por enquanto vou sonhando… novamente com imensa esperança, da mesma forma como o foi com o primeiro implante coclear e aí ninguém será um entrave neste um dos muitos meus sonhos.