terça-feira, 28 de setembro de 2010

E Coimbra...

... sorriu no meu regresso, foi tudo tão cheio de sons, uma aventura em pêras de cumplicidades acima dos acontecimentos! (palavras em risco ao meio, adoptadas pela F, mãe de uma implantada). Às vezes não deixo de pensar, que ela até pode ter razão neste aspecto!

Mais pormenores, serão revelados adiante quando o cansaço sumir, pois hoje, estou de rastos.

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Graeme Clark


 foto nº1 - A descoberta através do búzio que tem forma de uma cóclea do ouvido humano, para a inserção dos 22 eléctrodos num só fio.
foto nº2 - O primeiro paciente implantado em 1978, com sucesso.
foto nº3 - A partir de 1994 foi permitida a implantação a crianças mundialmente.

Para a maior parte das pessoas de Portugal, este nome é-lhes estranhamente desconhecido e ignorado, por isso não me admira que o acontecimento não tenha sido agente de notícia do momento nos canais nacionais quando ele, o próprio Graeme Clark ganhou a medalha internacional de Lister, que é um dos prémios mais engrandecidos que um cirurgião pode receber.

Este rosto mostra uma história de criança, nasceu em Camden a 60 quilómetros de Sydney, onde o seu pai, farmacêutico da cidade ficou severamente surdo. Como qualquer jovem, testemunhou a luta do seu pai frente a obstáculos em que a Surdez implicara, e por isso inspirou-o a ir estudar medicina. 

Diz Clark – “Mesmo com dez anos, o ministro local perguntou o que eu queria fazer e eu disse que queria ser um doutor dos olhos e ouvidos”.

É a ele, à luz de muita gente, a mais de 200.000 pessoas pelo mundo afora que agradecemos eternamente por ter descoberto o Implante Coclear em 1978, e permitisse que crianças e adultos pudessem OUVIR.

Ver aqui: CosmosMagazine