domingo, 11 de março de 2012

Momento IC II

Quando de repente sentes que a evolução nos sons e discriminação de palavras mais complexas resolvem parar, é no fundo sinal que melhores acontecimentos estão por surgir da maneira inesperada!

Sem pedir se faz favor, quando a gente quer que seja de cariz imediato, não podemos transportar as pressas na carroça à frente dos bois. Eu já devia ter percebido isso! Mas esqueço-me que a paciência é uma virtude.


Esta natureza surge o mesmo efeito idêntico à de crianças, há um tempo para aprender ouvir e assimilar as informações das entoações linguísticas peculiares da nossa Língua Portuguesa, a de amadurecer a natureza fonética no meio de muitos barulhos. A criança deixa-se de falar, emitindo os mesmos sons que antes aprendeu, falando à bebé. É onde começa a ter noção da sua voz, escuta a si própria e vai treinando novas palavras que nas primeiras vezes saem frouxas, desentaladas e incompreensíveis, mas gostam de brincar na produção vocal dos sons, ganhando maturidade para responder verbalmente novos vocabulários, juntar duas palavras numa frase e posteriormente ser cada vez mais. E é então, chega uma altura em que o nosso cérebro descobriu e aprendeu a filtrar os sons envolventes para apenas e somente concentrar-se no que é essencialmente importante: discriminar a voz humana.

Pois bem, aconteceu pura e simplesmente e tenho bem noção das minhas limitações auditivas com o processador de fala em locais extremamente ruidosos. A dificuldade em escutar vozes através das colunas onde uma pessoa locutora fala diante do microfone em espaço aberto, num jardim verdejante pertinho de uma estrada nacional de trânsito pude ouvir pequenas ondas do rio a embater nas pedras e o imenso vento rastejante a beijar no processador de fala. Na companhia da minha irmã, numa bela tarde solarenga onde decorria o Agita Seixal, pude discriminar cada palavra, cada frase de uma senhora que deu a honra de abertura com uma declaração especial em nome da Junta, ela soou-me assim:

"Em primeiro lugar, gostaríamos de desejar um feliz dia internacional da mulher, de 8 de Março a todas as Mulheres presentes! Obrigada a todos pela vossa presença. Divirtam-se!" 

Em resposta de confirmação - perguntei à minha irmã se era exactamente esta descrição que ouvira - ela sorriu, com o brilho nos olhos dizendo:

Sim mana, foi o que ela disse.

Não precisei de dizer mais nada! FELIZ por ter sido capaz de escutar mesmo com tanto ruído em redor. 
 


    

Sem comentários: