quarta-feira, 1 de junho de 2011

Manutenção Cuidada do Processador

Psiuuuu...

Não contem a ninguém, selem a boca depois de ouvirem a frase proferida, e oxalá que o Senhor de lá em cima do Céu não me castigue agora em diante do que irei aqui ditar:
O meu processador ainda não precisou de fazer a troca do cabo da bobina por desgaste, ainda não se foi abaixo electronicamente, não deixou de repente não funcionar, excepto quando houve pequenos intervalos intermitentes que barrou o sistema todo por estar num local deveras barulhento em que automaticamente o processador desliga e volta a ser ligado. 

O pequeno visor quadrangular onde podemos ver qual o programa que usamos - P1 - P2 - P3 e P4 - em diferentes contextos de ambiente, não machucou como tenho ouvido de algumas pessoas implantadas que ao fim de um tempo de uso ele acaba por se riscar ao meio - o segredo está na levidade da força com que pressionámos os botões... o nosso lema, é escutar o melhor possível que o implante nos fornece e tirarmos melhor proveito, quando notamos que o som está a ficar distorcido pode muito provavelmente ser o momento ideal para mudarmos a tampa microfónica por outra nova devido ao pó ou sujeira, e o normal é trocar de 6 a 6 meses para quem utiliza o Nucleus Freedom.

Acerca da tampa de borracha que protege a entrada directa do cabo para ligar ao Iphone, MP4, Televisão e Computadores, no meu rasgou-se por ser frágil demais, não necessita de cuidados pelo menos só nesta zona. 

De mês a mês, colocar o processador de fala no interior do desumidificador à noite, o equipamento desliga-se sozinho na madrugada, depois fica como novo! 

A caminho para os 4 anos de processador e o segredo? Cuidar bem dele como ninguém. Espero que dure o máximo possível e vou fazer por isso, afinal preciso de OUVIR... dependo unicamente dele para prosseguir a minha vida. 

1 comentário:

tFM disse...

Parabéns por quatro anos incólume!... acho que de facto é "obra"... o bininhas no outro dia estava tão feliz, a brincar no jardim infantil, que quando o IC lhe caiu nem deu conta e enfiou-o por baixo da gravilha como se fosse uma folha morta, uma pá!... Boa sorte!...