quarta-feira, 8 de junho de 2011

Monólogo

Gosto de ajudar e partilhar a minha história, mostrar que para além da Deficiência Auditiva esconde-se um mundo cheio de possibilidades, de escolhas e sonhos. Eu sei que neste país plantado à beira-mar, a Surdez não deve ser um tabu medonho como qualquer outro tipo de deficiência, entretanto ela, a Surdez é invisível a muita gente, basta ter uma aparência natural em que o processador de fala esteja escondido por entre os fios do meu cabelo passar como uma qualquer igual - na verdade é exactamente esta a minha maneira de ser - sou uma qualquer IGUAL.

Surdez? Aonde? De vez enquanto, tenho de me relembrar deste pequeno pormenor, azar dos males esconde-me um defeito lixado: a doentia mania de a negar piamente, só a recordo na hora de retirar o processador de fala. Confesso ao mundo, sou incapaz de aceitar aquilo que a vida me retirou... recordo com imensa mágoa e agora posso ouvir, milagre tremendo. 

Então a vida avança e pula, pelo caminho vou conhecendo pessoas de todos os lugares rodeadas de fascínio e curiosidade num misto de esperança que chegue o dia para também puderem fazer parte desta grande história qual cordão contagiante - a de ouvir. E que vida! É uma coisa de outro mundo! Gosto e muito, por exemplo, de reconhecer expressões sonoras mesmo que possam parecer insignificantes, posso assim em cada som agradecer este presente e seja a melodia que for não serei egoísta para o guardar só para mim. Quero que o mundo possa testemunhar as minhas palavras naquilo que consigo escutar, quero transformar estes timbres, músicas para os olhos de quem não ouve, e de como os sons podem ser um novo mundo prestes a ser explorado intensamente entre o sonho e a realidade.

Por consequência, estas palavras fazem os encontros acontecer. Inevitavelmente de forma lenta mas penetrante, e as vidas mudam para sempre, no final nada será como dantes.  Apercebi-me que no meio disto sou uma espécie de fio condutor, com um toque inocente de responsabilidade nesta obra do acaso, será mesmo coincidência? É demasiada coincidência. Demasiados acasos.    

1 comentário:

Je Vois la Vie en Vert disse...

E fazes muito bem em deixar o teu testemunho.
Todos nós temos deficiências, algumas são mais visíveis do que outras, algumas podemos esconder mas há aquelas que não se vêem e que são as piores : são as deficiências da alma, da educação, dos valores humanos...
Beijinhos da
Verdinha