segunda-feira, 15 de março de 2010

Episódios Insólitos com o IC


 Todos os Direitos Reservados de Sun Melody
Nestes quase três anos de implantada, houve de tudo desde olhares a burburinhos sobre o objecto magnético que transportava na minha cabeça. A bobina achocolatada, da mesma cor do cabelo não passava despercebida quando o tinha prendido no Verão, pois a luz do sol fazia um toque lampejo chamando a atenção a este mero circulo magnete. 
Não permitir que nos olhem, seria o mesmo negar a nossa essência então mais vale deixar que a contemplação das pessoas execute e apalpe visualmente o estranho corpo magnético grudado a dois dedos acima do meu ouvido esquerdo com total delicadeza enigmática.
Assim por diante, há quase três anos, com poucas semanas de activada fui alvo de uma atracção turística cyborgnética (esta palavra não existe eu sei!) made in InterRegional dos caminhos-de-ferro como se fosse uma ave rara em vias de extinção. Ora, eu e mais o amor da minha vida assentados no lugar do vagão modificado em enfeites decorativos, encontramos uma família de seis elementos a me espiar vigilantes, e perante este facto descomunal chegámos à conclusão que a curiosidade foi tanta naqueles rostos cegos de espanto! A mulher, mãe das crianças virou e revirou a face tantas vezes chegando a levantar-se do banco só para visualizar melhor o IC, lembro das suas sobrancelhas finas um pouco delineadas e em segundos desenhou uma expressão sarcástica do género: “O que é aquilo na cabeça dela!!?” –  A gente, ambos indiferentes rimos às gargalhadas… confesso que não me afectou, pois o amor louco pelo meu Implante Coclear é tanto!
Outra, um adolescente de cabelo espetado na plataforma de Sete Rios com os fones nos ouvidos e a dançar consoante o ritmo aproximou-se a meu lado sussurrando poderoso: “Que MP3 muito fixe!!! Onde compraste?!” – STOP – “Onde comprei? Não está à venda e não é um leitor de música”. O rapaz ficou tresmalhado e confuso, e perguntou-me: “Então o que tens na cabeça?” – ri-me da sua enorme perplexidade e lá disse: “É o meu ouvido biónico, e só assim posso ouvir. Chama-se Implante Coclear.” – depois de lhe ter explicado, deteve-se absolutamente envergonhado e pediu-me desculpas… passando uns minutos diz-me: “Que me dera ter um igual, assim podia ligar e desligar quando quisesse e me apetecesse!”.
Outra, uma pessoa conhecida com uma certa idade, olha embasbacado para mim, contido e a tentar não ferir susceptibilidades… não conseguiu comprimir e o medo de me perturbar foi avassalador mas eu sei ler os rostos e soube no fundo que ele queria me dizer qualquer coisa, portanto incentivei-o. Então, educadamente lançou aquela frase um tanto repetida: “A. tens um buraco na cabeça?” – esgazeei os olhos – “Um buraco na cabeça?! Ah, não, não tenho orifício nenhum! Ah Ah Ah… Olha vou te mostrar…” o meu braço em movimento, os dedos tocam afectuosamente a bobina e retiro-a sorrindo, colo-a de novo e desgrudo.
Vejo-o sorrir, e digo: “é a minha dança magnética que uma e outra se tocam e beijam a maior parte do tempo. Um segundo ouvir e noutro já não”.
Há mais para contar, mas isso redijo noutra altura.   

4 comentários:

Erika disse...

Oi Sun, quase morri de rir lendo este relato. Ainda bem que você encara numa boa! A gente não deve se zangar com a curiosidade alheia, mas pra dizer a verdade não gosto muito quando as pessoas ficam olhando insistentemente pra minha pequena Alessia. E imagine só, o implante dela tem uma luzinha verde piscando o tempo todo!!Não tem como evitar os olhares indiscretos... A melhor coisa são as crianças, que sempre perguntam pra mim o que é aquilo, com a maior naturalidade do mundo. As mães ficam morrendo de vergonha com a franqueza dos filhos e vão logo puxando-os pra longe...Contando dá até pra rir, mas na hora fico bem p. da vida!
Conte mais das suas!
Bjs
Erika

_+*A Elite in Paris*+_ disse...

Ficou demais este post! parabéns por enfrentares tudo com grande humor!
E já agora, sei que é bastante diferente, mas ha tanta gente com Bluetooth no ouvido, a falar sozinho na rua, acho que hoje em dia NADA é realmente muito estranho.

Mas confesso que também olharia com certa curiosidade. Depois passa :)

A Elite

Anónimo disse...

Olá, amiga!
Ainda bem que a tua inspiração voltou.
É engraçado quando as pessoas olham para a nossa cabeça e surgem muitos pontos de interrogações por trás.
Admiro-te pelo facto de conseguires ouvir por trás...

Beijinhos sonoros,
Lovely Sound

Lynce disse...

Apesar de já o ter feito, passo aqui para agradecer a sua visita bem as suas simpáticas palavras. O meu muito obrigado.
O seu post está excelente, parabéns, e já me fez rir bastante.
:)))