quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Noite Serena

Comboio adentro, à espreita da janela com vista para a boca do mar que separa as duas margens, a lua no céu tão redonda e brilhante como as estrelas sonoras envolvem-me ternamente. Música. Ouço-a no interior, a tocar no meu lado esquerdo misturando o roçar metálico das rodas que cintilam continuamente... continuamente... continuamente... e a força do vento que bate nos vidros duplos da carruagem dá vida ao som, o silêncio das vozes assiste impávido e sossegado perante o olhar das pessoas.

Estados de alma, ensejos introspectivos.

Sem comentários: