quarta-feira, 16 de julho de 2008

Discriminação de Palavras II

O cansaço era ainda mais profundo, tinha os pensamentos conservados a um lugar distante, vazio e próximo do sossego ao mesmo tempo que escutava a extensão ferroviária sob o peso da carruagem.

O som do metal a ser engolido, no arranhar das rodas em brasa, e apercebo como é bom provar este ruído lentamente, ao longo do percurso.

Estou a chegar, e o altifalante rompe o meu cérebro: "Entrecampos".

1 comentário:

num relance disse...

ir lendo os posts deste blog faz-me bem à alma: mostra-me quanto de tudo todos temos... e, às vezes, de distraídos com tanto, não sabemos reparar, ver na verdadeira dimensão, apreciar...

ouvir as palavras que aqui leio, vou lendo, faz-me ouvir os meus sons do dia a dia e faz-me ligar-me mais e melhor, à terra, ao ar, ao mar, ao céu, à luz, às nuvens, ao fresco do vento, à brisa que passa, e nisso ouvir tudo o que vejo

ler do espirro ouvido, e "santinho", e "obrigado", tanto gesto sonoro simples, bonito e importante

obrigado
e boa caminhada, boa caminhada,
bons caminhos e caminhadas